Padaria Pampulha | A odisseia Trigo. Do campo para a sua mesa

A odisseia Trigo. Do campo para a sua mesa

info_padaria

O Trigo percorre 2.500 km e leva dez dias de navio para virar pão. A cadeia de padarias do país permite ao consumidor encontrar seu tradicional pãozinho francês do dia a dia a qualquer momento, afinal são milhares de panificadoras espalhadas pelas cidades brasileiras. O que muita vezes não sabemos, é a “saga” que o trigo enfrenta até chegar aos moinhos, ser transformado em farinha e abastecer as mais de 63 mil padarias do País.

O Brasil não é autossuficiente em trigo, então precisa comprar de outros países. Além disso, a qualidade do trigo nacional não é adequada para a panificação, com isso, a matéria-prima para o tradicional pãozinho leva ao menos dez dias de navio para chegar e percorrer pelo menos 2.500 km entre as plantações e a sua mesa — quase o trajeto entre São Paulo (SP) e Recife (PE).

info_padaria2

O presidente do conselho deliberativo da Abitrigo (Associação Brasileira da Indústria do Trigo), Marcelo Vosnika, afirma que o trigo comprado do exterior vem da Argentina, Paraguai e Uruguai e, da América do Norte, dos Estados Unidos e do Canadá.

A Argentina domina as exportações para cá porque tem uma facilidade de logística. O trigo argentino é o que chega mais barato para o Brasil. Além da facilidade da logística, existe a isenção da TEC (Tarifa Externa Comum), que é de 10%. No caso do Mercosul, a taxa não existe e persiste para os outros países. Então, esse trigo do Mercosul sempre é mais competitivo.

info_padaria3